VIDA, EDUCAÇÃO E PROFISSÃO: PERCURSOS DE (TRANS)FORMAÇÃO NA TRAJETÓRIA DE NESTOR DOS SANTOS LIMA

Sara Raphaela Amorim

Resumo


Investigar os percursos de (trans)formação na trajetória do educador norte-rio-grandense Nestor dos Santos Lima é o objetivo desta pesquisa. Com vasta atuação na educação pública do Rio Grande do Norte, Nestor Lima foi responsável por cargos como a direção da Escola Normal de Natal (1911-1923) e do Departamento de Educação (1924-1928). Nestes espaços escreveu diversos tipos de documentos oficiais, a exemplo dos relatórios de funcionamento da Escola Normal de Natal, relatório do Departamento de Educação do Estado (1924-1928) e dois relatórios de viagens pedagógicas comissionadas nos anos de 1913 e 1923. Diante de tantos registros administrativos, surge a questão: como perceber subjetividades da vida de um educador na escrita de documentos oficiais? Para responder a esta questão faço uso da pesquisa documental, reconhecendo as especificidades do trabalho com fontes históricas abordadas por Nunes e Carvalho (1993), Bacellar (2010) e Vasconcelos (2014), em diálogo com Mignot (2002) e Souza (2015), que versam sobre os desafios e possibilidades da pesquisa (Auto)Biográfica. Castillo Gómez (2004) fundamenta as discussões sobre da História da Cultura Escrita, assim como Chartier (1994; 2002; 2003) contribui para o trabalho com os aspectos da materialidade dos suportes. A problematização e análise das fontes permitiram capturar singularidades da trajetória de formação, interesses e relações políticas de Nestor Lima, a partir da compreensão do movimento dialético de construção de suas identidades pessoal e profissional no cotidiano. Nos rastros dos documentos oficiais que assinou, faço incursões de um olhar curioso, sigo vestígios, conjecturo e construo sentidos possíveis.

Palavras-chave: Escrita. Fontes Documentais. Trajetória Profissional. Vida e educação.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMADA, M. Cultura escrita e materialidade: possibilidades interdisciplinares de pesquisa. Pós: Belo Horizonte, v. 4, n. 8, p. 134 - 147, nov. 2014.

AMORIM, S. R. M. Viagem como missão: intercâmbio pedagógico do educador Nestor dos Santos Lima (1913-1923). Tese (Doutorado em Educação), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2017.

BACELLAR C. Fontes documentais. Uso e mau uso dos arquivos. In: PINSKY C.B., Fontes históricas, 2 ed. São Paulo: Contexto, 2010.

BRASIL. Actos de Poder. Lei de 15 de outubro de 1827.

CASTILLO GÓMEZ , A. “La Corte de Cadmo: apuntes para una historia social de la cultura escrita”. Revista de Historiografía, Madrid, n. 1, pp. 89-98, 2004.

______. Leer y oír leer. Ensaios sobre la lectura en los Siglos de Oro. Madrid: Iberoamericana – Vervuert, 2016.

CERTEAU, M. A escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Menezes; revisão de Arno Vogel. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

LIMA, N. S. Melhoramentos técnicos do ensino primário e normal. Natal: Typ. Do Instituto, 1913.

______. Da organização do ensino normal, profissional e primário no sul do Brasil e no Rio da Prata. Natal: Typ. d’A República, 1923.

CARVALHO, M. M. C. Reformas da instrução pública. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive. (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Departamento de Recursos Humanos/ Ministério da Saúde. 1988. p. 17-34.

MARTINS, H. Lista Geral dos Bacharéis que tem obtido o respectivo grau na Faculdade de Direito do Recife, desde a sua fundação em Olinda, no ano de 1828 até o ano de 1931. Recife: Tipografia Diário da Manhã, 2ªed. 1931.

MIGNOT, A. C. V. Baú de Memórias, bastidores de histórias: o legado pioneiro de Armanda Álvaro Alberto. Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

______; SOUZA, E. C. Modos de viver, narrar e guardar: diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica. Revista Linhas. Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 10 – 33, set./dez. 2015.

NÓVOA, A.; FINGER, M. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CFAP, 1988.

NUNES, C.; CARVALHO, M. M. C. de. Historiografia da Educação e Fontes. In: CADERNOS ANPED, n5. Caxambu: ANPED, setembro, 1993.

PETRUCCI, A. Alfabetismo, escritura, sociedad. Barcelona: Gedisa Editorial, 1999.In: ALMADA, M. Cultura escrita e materialidade: possibilidades interdisciplinares de pesquisa. Pós: Belo Horizonte, v. 4, n. 8, p. 134 - 147, nov. 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. Relatório da Escola Normal de Natal apresentado ao Dr. Manoel Dantas, Diretor de Instrução Pública. Natal, 1912, 38 p. (manuscrito).

______. Relatório do Departamento de Educação. Natal, 1924, 45p. (manuscrito)

SOUZA, E. C. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. In: NASCIMENTO, AD., and HETKOWSKI, TM., Orgs. Memória e formação de professores [online]. Salvador: EDUFBA, 2007.

______; MENEZES, J. M. F. História da Educação na Bahia: recortes e aproximações sobre a constituição do campo. In: VASCONCELOS, J. G; NASCIMENTO, J. C. (Org.). História da Educação no Nordeste Brasileiro. Fortaleza: UFC Edições, 2006, p. 136-153.

VASCONCELOS, M. C. C. Pesquisa em História da Educação: Acervos, arquivos e a utilização de fontes. FRONTEIRAS: Journal of Social, Technological and Environmental Science, Anápolis-Goiás, v.3, n.3, jul.-dez. 2014, p.33-47.

VIÑAO, A. Las autobiografías, memorias y diarios como fuente histórico-educativa: tipologia y usos. TEIAS: Revista da Faculdade de Educação/UERJ. n.1, jun. 2000, p.82-97.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.