PORTUGAL E OS MODERNISTAS NAS TRILHAS DA CORRESPONDÊNCIA DE RONALD DE CARVALHO

Mirhiane Mendes de Abreu

Resumo


RESUMO:

O conjunto epistolográfico de escritores modernistas deixa perceber o objetivo claro de divulgar e discutir a literatura brasileira. No caso específico de Ronald de Carvalho, que colaborou com as revistas OrpheuTerra de Sol (para nos restringirmos a dois exemplos expressivos), a leitura de suas cartas permite rastrear, interpretando, os pressupostos críticos e culturais que sua geração trilhou com Portugal, seja este país como tema, seja como imprescindível interlocutor para se erigir a modernização cultural do Brasil. Diante destas observações, esta comunicação pretende apresentar e debater os dilemas da intelectualidade brasileira durante as primeiras décadas do século XX, entendendo que o exame da correspondência de Ronald de Carvalho configura-se como espaço onde se explicitam os problemas emblemáticos do homem e da sua época. Lida em seu contexto, a correspondência de Ronald de Carvalho, em amigável tom de conversa, enuncia e identifica o cenário intelectual dos anos 20, porque tanto marca a urdidura da instauração do modernismo, descrevendo as figurações do ambiente literário daquele contexto, quanto elucida os mecanismos intelectuais para esse fim, problemas que evidenciam o lugar de Portugal e os mais diversos sentidos atribuídos ao próprio ato de escrever cartas.

 

PALAVRAS-CHAVE:

Ronald de Carvalho. Portugal. Modernistas. Correspondência

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Ininga, v. 1, n. 1 - Segundo semestre de 2014