UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL: INTERFACES COM O CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

MÁRCIA ASTRÊS FERNANDES, Susane de Fátima Ferreira de Castro, Nayla Ibiapina Furtado, Eduardo Carvalho de Araújo, Guido Paraguai Lemos, Ana Livia Castelo Branco de Oliveira

Resumo


Objetivos: Discutir o conhecimento dos profissionais de saúde de um Ambulatório Escola sobre o uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e descrever como estes profissionais utilizam tais equipamentos na sua prática diária. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, exploratório com abordagem qualitativa, realizada no ambulatório de um Centro Universitário de Teresina-PI. Os dados foram coletados por meio de roteiro de entrevista semiestruturado e analisados posteriormente. Resultados: Emergiram três categorias semânticas: Equipamentos de Proteção Individual: uma maneira mais segura de trabalho; Utilização dos EPIs: uma responsabilidade coletiva e; Utilização seletiva dos EPIs: um conhecimento necessário. Conclusão: A partir deste estudo acredita-se que é fundamental investir no processo de educação permanente e orientação destes profissionais sobre o uso e manuseio correto dos EPIs, eliminando ou minimizando os riscos de contrair infecções hospitalares, sobretudo relacionadas a não utilização de todos os aparatos necessários para a devida proteção.


Palavras-chave


Equipamentos de Proteção, Acidentes de Trabalho, Enfermagem do Trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: Manual de procedimentos para os serviços de saúde. Representação no Brasil da OPAS/OMS. Brasília, 2001.

Souza TS, Virgens LS. Saúde do trabalhador na Atenção Básica: interfaces e desafios. Rev. bras. saúde ocup. 2013; 38 (128): 292-301.

Conselho Nacional de Saúde. Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria no. 1.823, de 23 de agosto de 2012. Brasília, 2012.

Fletcher RH, Fletcher SW. Epidemiologia clínica: elementos essenciais. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

Costa D, Lacaz FAdeC, Filho JMJ, Vilela RAG. Saúde do Trabalhador no SUS: desafios para uma política pública. Rev. bras. saúde ocup.. 2013; 38(127): 11-30.

Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado; 1988.

Ministério do Trabalho (BR). Norma regulamentadora NR 32 de 2002. Dispõe sobre a saúde do trabalhador de instituições de saúde. Brasília (DF). Secretaria de Comunicação; 2002.

Ministério da Saúde (BR). Biossegurança para trabalhadores de saúde. Brasília (DF): Coordenação Nacional de DST/AIDS; 1995.

Carvalho JFS, Chaves LDP. Supervisão de Enfermagem no Uso de Equipamento de Proteção Individual Em Um Hospital Geral. Cogitare Enferm. 2010; 15 (3): 513-20.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9.ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

Ministério da Saúde. Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde/MS Sobre Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, 12 de dezembro de 2012.

Motta MV, Duarte FJdeCM, Meirelles LA, Garrigou A, Baldi I. A contaminação por agrotóxicos e os Equipamentos de Proteção Individual. Rev. bras. Saúde ocup.. 2007; 32 (116): 57-68.

Lima MPDA. Segurança e medicina do trabalho no Brasil: discussão, limitações e perspectivas. 2010.55. Monografia (Graduação em Direito) - Faculdade de Saúde,Ciências Humanas e Tecnológicas do Piauí - NOVAFAPI, Teresina, 2010.

Rodrigues MNG, Passos JP. Trabalho de Enfermagem e Exposição aos Riscos Ocupacionais. Rev. de Pesq.: cuidado é fundamental. 2009; 1 (2): 353-9.

Mafra DAL, Fonseca IC, Viana JX, Santana JCB, Silva MP. Percepção dos enfermeiros sobre a importância do uso dos Equipamentos de Proteção Individual para riscos biológicos em um serviço de atendimento móvel de urgência. O mundo da Saúde. 2008; 32 (1):31-8.

Moura DDB, Bílio PC, Miranda TT. Conhecimentos e atitudes dos profissionais de enfermagem acerca da biossegurança na assistência. 2010.44.TCC (Graduação em Enfermagem) - Centro de Ensino Unificado de Teresina - CEUT, Teresina, 2010.

Azap A, Ergönül O, Memikoğlu KO, Yeşilkaya A, Altunsoy A, Bozkurt GY, Tekeli E. Occupational exposure to blood and body fluids among health care workers in Ankara, Turkey. Am J Infect Control. 2005; 33 (1): 48-52.

Scheidt KL, Rosa LRS, Lima EFA. As ações de biossegurança implementadas pelas comissões de controle de infecções hospitalares. R Enferm UERJ. 2006; 14 (3): 372-7.

Ministério da Saúde. Manual de condutas exposição á material biológico: Hepatite B e HIV. Brasília (DF): Programa de Controle de Infecção Hospitalar; 1999.

Silva MBC, Lages CAF, Santos LC. Riscos ocupacionais entre acadêmicos de enfermagem no ambiente hospitalar. Rev. Interdisciplinar. 2010; 3 (3): 33-8.




DOI: https://doi.org/10.26694/repis.v3i0.6209

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Bases/Indexadores:

Internacionais: CuidenIndex Copernicus InternationalResearch BibleLatindexCrossRefScholar Google; REDIB; PKP Index; DOAJ.

Nacionais: DiadorimIBICTSumarios.orgLIVRE; periodicos CAPES.

REPIS is available in: Publons

ISSN: 2446-7901