EPIDEMIOLOGIA DE NASCIDOS VIVOS DE MÃES RESIDENTES EM UMA CAPITAL DO NORDESTE

José Francisco Ribeiro, Jefferson Abraão Caetano Lira, Ana Virginia Campos Fontinele, Paula Oliveira Santos, Francisca ferreira Lima, Tatiana Custodio das Chagas Pires Galvão

Resumo


Objetivo: descrever as características sociodemográficas e obstétricas maternas, bem como o perfil clínico de nascidos vivos em uma capital do Nordeste brasileiro. Método: estudo descritivo de coleta retrospectiva, utilizando-se de banco de dados públicos secundários. A população constituiu-se de todos os nascidos vivos de mães residentes em Teresina, Piauí, Brasil no período de 2000 a 2013, totalizando 200.968 participantes. Resultados: quanto aos dados maternos, prevaleceu a faixa etária de 20 a 24 anos, escolaridade de 8 a 11 anos, estado civil casado e gestação a termo. Quanto aos nascidos vivos, identificou-se o peso ao nascer de 3000 a 3999g (63,6%), sexo masculino (51,2%) e Apgar no 1º (8 a 10) e 5º (8 a 10) minuto, 82,7% e 95,4% respectivamente.  Conclusão: o número expressivo de mães solteiras é preocupante. Embora a maioria dos nascidos vivos serem a termo, com peso normal e Apgar em ótimas condições, a taxa de mortalidade ainda é acentuada.


Palavras-chave


Nascimento vivo; Recém-nascido; Assistência perinatal

Texto completo:

PDF

Referências


Lisboa L, Abreu DMX, Lana AMQ, França EB. Mortalidade infantil: principais causas evitáveis na região Centro de Minas Gerais, 1999-2011. Epidemiol Serv Saúde [internet]. 2015 [Acesso em 2016 maio 10]; 24(4):711-20. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222015000400711

Kikuchi K, Ansah EK, Okawa S, Enwameh Y, Yaswoka J, Nanishi K et al. Effective Linkages of Continuum of Care for Improving Neonatal, Perinatal, and Maternal Mortality: A Systematic Review and Meta-Analysis. Published online. 2015 [Acesso em 2016 maio 15]; 10(9):88-92.

Araújo SM, Silva MED, Moraes RC, Alves DS. A importância do pré-natal e a assistência de enfermagem. Revista Eletrônica de Ciências [internet]. 2010 [Acesso em 2016 abr 20]; 3(2):61-67. Disponível em: http://veredas.favip.edu.br/ojs/index.php/veredas1/article/view/98/211

Nabhan SS, Oliveira RZ. Óbitos infantis, características maternas e de assistência em município da região noroeste do Paraná, Brasil, 1999 a 2006. Acta Scientirum Health Sciences [Internet]. 2009 [Acesso em 2016 maio 10]; 31(1):71-76. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHealthSci/article/view/5220/5220

Tadielo BZ, Neves ET, Arrué AM, Silveira A, Ribeiro AC, Tronco CS et al. Morbidade e mortalidade de recém-nascidos em tratamento intensivo neonatal no sul do Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras [Internet]. 2013[Acesso em 2016 abr 20]; 13(1):7-12. Disponível em: http://www.sobep.org.br/revista/component/zine/article/163-morbidade-e-mortalidade-de-recm-nascidos-em-tratamento-intensivo-neonatal-no-sul-do-brasil.html

Oliveira MM, Andrade SSCA, Dimech GS, Oliveira JCB, Malta DC, Rabelo Neto DL et al. Avaliação do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Brasil, 2006 a 2010. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2015 [Acesso em 2016 maio 10]; 24(4):629-40. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222015000400629

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Relatório sobre a taxa de natalidade da população brasileira. Brasília; 2015 [Acesso em 2016 maio 05]. Disponível em: http://brasilemsintese.ibge.gov.br/populacao/taxas-brutas-de-natalidade.html

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 6ª ed. São Paulo: Atlas; 2010.

Silva LR, Elles EIS, Silva MDB, Santos IMM, Souza KV, Carvalho SM. Factores sociales que influyen em la lactancia de los prematuros recién nacidos: estúdio descriptivo. Online Brazilian Journal of Nursing [Internet]. 2012 [Acesso em 2016 abr 20]; 11(1):110-20. Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/3528/html_2

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Relatório sobre a estratificação étnica no Piauí. Brasília; 2015 [Acesso em 2016 maio 05]. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/portal-antigo/publicacoes/relatorioIBGE_pdf

Zanini RR, Moraes AB, Giugliani ERJ. Riboldi J. Determinantes da mortalidade neonatal no Rio Grande do Sul por dois modelos de análise. Rev Saúde Pública 2011 [Acesso em 2016 abr 20]; 45(1):79-89. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v45n1/1549

Kilsztajn S, Lopes ES, Carmo MSN, Reyes AMA. Vitalidade do recém-nascido por tipo de parto no Estado de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2007 [Acesso em 2016 abr 15]; 23(8):1886-92. Disponível em: http://veredas.favip.edu.br/ojs/index.php/veredas1/article/view/98/211

Carniel EF, Zanolli ML, Antônio MARSG, Morcillo AM. Determinantes do baixo peso ao nascer a partir das Declarações de Nascidos Vivos. Rev Bras Epidemiol [Internet]. 2008 [Acesso em 2016 abr 10]; 11(1):169-79. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHealthSci/article/view/5220/5220

Silveira MF, Santos IS, Malta DC, Duarte EC. Nascimentos pré-termo no Brasil entre 1994 e 2005 conforme o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC). Cad. Saúde Pública [Internet]. 2009 [Acesso em 2016 abr 15]; 25(6):1267-75. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/12908/1/ARTIGO_NascimentosPre Termo.pdf

Maran E, Uchimura TT, Mortalidade Neonatal: fatores de risco em um município no Sul do Brasil. Rev. Eletr. Enfer. Enfer. [Internet]. 2008 [Acesso em 2016 abr 15]; 10(1):29-38. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n1/v10n1a03.htm

Jobim R, Aerts D. Mortalidade infantil evitável e fatores associados em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 2000-2003. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2009 [Acesso em 2016 abr 15]; 24(1):179-87. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v24n1/17.pdf

Nader PRA, Cosme LA. Parto prematuro de adolescentes: influência de fatores sociodemográficos e reprodutivos, Espirito Santo, 2007. Esc Anna Nery Rev Enferm [Internet]. 2010 [Acesso em 2016 abr 15]; 14(2):338-345. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v14n2/17.pdf

Barros MAR, Holanda MAG, Lopes KR, Nicolau AIO. Fatores obstétricos associados ao peso ao nascer do recém-nascido a termo não gemelar. Rev enferm UFPE on line [Internet]. 2013 [Acesso em 2016 abr 15]; 7(12):6821-27. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/download/5037/7980

Vanderlei LCM, Simões FTPA, Vidal AS, Frias PG. Avaliação de preditores do óbito neonatal em uma série histórica de nascidos vivos no Nordeste Brasileiro. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2010 [Acesso em 2016 abr 20]; 10(4):449-58. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292010000400005




DOI: https://doi.org/10.26694/repis.v4i0.6897

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Bases/Indexadores:

Internacionais: CuidenIndex Copernicus InternationalResearch BibleLatindexCrossRefScholar Google; REDIB; PKP Index; DOAJ; MIAR

Nacionais: DiadorimIBICTSumarios.orgLIVRE; periodicos CAPES.

REPIS is available in: Publons

ISSN: 2446-7901