CIRURGIA SEGURA: RECOMENDAÇÕES ADOTADAS ANTES DA INDUÇÃO ANESTÉSICA

Iara Maria da Silveira, Lorena Stephany Lopes Fernandes, Tatiane Pereira Lopes, Liliam Mendes de Araújo, Francisca Cecília Viana Rocha, Adélia Dalva da Silva Oliveira

Resumo


Objetivo: analisar a aplicação das recomendações de segurança do paciente antes da indução anestésica pelos profissionais em uma unidade de internação. Método: pesquisa quantitativa realizado na clínica ortopédica de um serviço de urgência do nordeste, Brasil. Resultados: os dados foram obtidos através da aplicação de questionários e consulta aos prontuários dos pacientes selecionados, no total de 46 sujeitos. Dos itens do formulário que também foram verificados no prontuário, todos obtiveram percentuais diferentes ao questionar o paciente. Não houve erros de sítio cirúrgico. Já os itens que devem vir preenchidos no “sing in”, apenas o que diz “há acesso venoso” foi encontrado em mais de 50% dos prontuários. Conclusão: constatou-se que o protocolo de cirurgias seguras da OMS foi implementado no hospital, no entanto não há adesão satisfatória por parte dos profissionais da instituição de saúde.


Palavras-chave


Segurança do paciente; Cirurgia; Lista de checagem; Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Lima CA, Faria JS, Machado APN, Gonçalves RPF, Teixeira MG, Oliveira RS, et al. Hospital risk management: a focus on the quality and the patient safety. Rev. Eletrônica Gestão Saúde. 2014; 5(Spe): 2862-76. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v5iespecial.1383 2 2.

Vincent C. Risk, safety and the dark side of quality. BMJ [Internet] 1997; 314, 7097, 1775- 6 [acesso em 28 out 2016]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2126912/

Freitas MR. Avaliação da adesão ao checklist de cirurgia segura da OMS em cirurgias urológicas e ginecológicas, em dois hospitais de ensino de Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet] 2014; 30;1; 1337-48 [acesso em 31 de out 2016]. Disponível em:http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 311X2014000100137&lng=en.http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00184612.5

Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo desafio global para a segurança do paciente: Manual - cirurgias seguras salvam vidas. Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana da Saúde, Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária [Internet] 2009 [acesso 16 set 2016]. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/seguranca_paciente_cirurgia_salva_manual.pdf

Ferraz EM. A cirurgia segura: uma exigência do século XXI. Rev. Col. Bras. Cir. [Internet] 2009; 36, 4,281-2 [acesso 16 set 2016].

Martins GS, Carvalho R. Realização do time out pela equipe cirúrgica: facilidades e dificuldades. Rev. SOBECC, São Paulo [Internet] 2014; 19, 1, 18-25. /site_sobecc_v19n1/04_sobecc_v19n1.pdf

Motta filho GRM et al. Protocolo de Cirurgia Segura da OMS: O grau de conhecimento dos ortopedistas brasileiros. Rev. Bras. Ortop. [Internet] 2013; 48, 6, 554-562 [acesso 16 set 2016]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbort/v48n6/pt_0102-3616-rbort-48-06-00554.pdf

Freitas R. Cuidado de enfermagem para prevenção de quedas em idosos: proposta para ação. Rev. Bras. Enferm., Brasília [Internet] 2011, 64(3): 478-85 [acesso 27 maio 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n3/v64n3a11.pdf

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa.São Paulo: Atlas [Internet] 2008; 5.

Legay LF et al. Acidentes de transporte envolvendo motocicletas: perfil epidemiológico das vítimas de três capitais de estados brasileiros, 2007. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília [Internet] 2012; 21(2):283-292 [acesso 22 maio2017]. Disponível em:http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742012000200011

Noronha CKC et al. Ocorrência de óbitos por acidentes de motocicletas em Teresina, Estado do Piauí, Brasil. Rev. Pan-Amaz. Saude [Internet] 2011; 2(4):11-16.

Belon AP et al. Atendimentos de emergência a vítimas de violências e acidentes: diferenças no perfil epidemiológico entre o setor público e o privado. VIVA – Campinas/SP. Ciência & Saúde Coletiva [Internet] 2012; 17(9):2279-2290 [acesso 9 maio 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n9/a10v17n9.pdf

Minayo MCS, Deslaandes S F. Análise diagnóstica. Rio de Janeiro: Ed Fio- cruz; 2007.

Cavalcante AKCB. Perfil dos acidentes de trânsito atendidos por serviço pré-hospitalar móvel. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador [Internet] 2015; 29, 2, 135-145 [acesso 09 mai 2017]. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/12656/pdf_125

Ferraz AF. Análise da comunicação enfermeira-paciente em hospital geral [dissertação]. São Paulo (SP): Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 1993.

Clotet J. O consentimento informado nos comitês de ética em pesquisa e na prática médica: conceituação, origens e atualidade. Rev. Bioét. [Internet] 2009; 3(1):51-9 [acesso 06 out 2016]. Disponível em: http://www.pucrs.br/bioetica/cont/clotet/oconsentimento.pdf

Melendo MP et al. Termo de consentimento informado: entendimento do paciente cirúrgico. Acta Paul. Enferm. [internet] 2016; 29(3):291-7 [acesso 20 mai 2017]. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/ape/v29n3/1982-0194-ape-29-03-0291.pdf




DOI: https://doi.org/10.26694/repis.v4i0.7285

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Bases/Indexadores:

Internacionais: CuidenIndex Copernicus InternationalResearch BibleLatindexCrossRefScholar Google; REDIB; PKP Index; DOAJ; MIAR

Nacionais: DiadorimIBICTSumarios.orgLIVRE; periodicos CAPES.

REPIS is available in: Publons

ISSN: 2446-7901