PREVALÊNCIA DE SÍFILIS NA CIDADE DE PATOS DE MINAS - MG

Flávio Junior Sales, Fernando Leonardo Diniz, Hugo Christiano Soares Melo, Sandra Regina Afonso Cardoso

Resumo


Objetivo: Buscou-se levantar e analisar a epidemiologia de indivíduos infectados com sífilis, com faixa etária entre 10 e 80 anos, residentes na cidade de Patos de Minas – MG – Brasil, durante o período de janeiro de 2016 a agosto de 2017. Metodologia: No processo, 109 prontuários de casos clínicos confirmados presentes na base de dados da Secretaria de Saúde foram analisados. Resultados: Foi evidenciado que 69,7% dos casos da doença ocorreram no sexo masculino, com maior incidência entre 21 e 30 anos de idade, enquanto os casos femininos corresponderam a 30,3% com maior incidência entre 21 e 30 anos de idade. Conclusão: De acordo com os resultados, concluiu-se que é de suma importância o diagnóstico precoce da Sífilis, uma vez que se trata de uma doença curável, e que se diagnosticada precocemente, não deixa sequelas.

Palavras-chave


Infecções por Treponema, Treponema pallidum, Sorodiagnóstico da Sífilis, Cancro.

Referências


Pacheco J. Sexualidade e planejamento familiar. Rev. Sexualidade e planejamento familiar. 2008; 51(1): 43-51.

Amemiya EE. Sífilis: Aspectos clínicos, epidemiológicos, e diagnósticos no Brasil. Rev. Unilus. 2016; 13(30): 02-19.

Pires CPP, Miranda AEB. Prevalência e Fatores Correlatos de Infecção pelo HIV e Sífilis em Prostitutas Atendidas em Centro de Referência DST/AIDS. Rev RBGO. 1998; 20(3): 151-154.

Campos PRB, Silveira RFX, Jorge WA. Cuidados no atendimento odontológico em pacientes portadores de sífilis. Rev. RPG. 1997;4(1):2-17.

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Manual técnico para diagnostico da Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. 52p. Disponível em: http://www.aids.gov.br/system/tdf/pub/2016/59218/manual_sifilis_10_2016_pdf_23637.pdf

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico: Sífilis 2017. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. 44 p. Disponível em: http://www.aids.gov.br/system/tdf/pub/2017/65020/boletim_sifilis_11_2017.pdf

Figueiró-Filho EA, Gardenal R EVC, Assunção LA, Costa RG, Periotto A. Sífilis Congênita como fator de assistência pré-natal no município de Campo Grande – MS. DST – J bras Doenças Sex Transm. 2007; 19:3-4.

Cavalcante GMCC, Amaral WV. Soroprevalência de sífilis em pacientes submetidos à fertilização assistida. Rev prod clim.2014;2 9(1):3–7.

Holanda MTCG, Barreto MA, Machado KMM, Pereira RC. Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Município do Natal, Rio Grande do Norte – 2004 a 2007. Rev Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília. 2011; 20(2):203-12.

Lins CDM. Epidemiologia da Sífilis gestacional e congênita no extremo Setentrional da Amazônia.[acesso em 10 abr 2017]. Disponível em: http://www.bdtd.ufrr.br/tde_arquivos/6/TDE-2014-07-14T120900Z-166/Publico/CynthiaDantasdeMacedoLins.pdf.

Garcia FLP. Prevalência de sífilis em adolescentes e jovens do sexo feminino no estado de Goiás. [acesso em 10 abr 2017]. Disponível em: https://posstrictosensu.iptsp.ufg.br/up/59/o/FernandaLopes-2009.dpf.PDF.

Silva CS, Almeida FLV, Sousa VF, Silva CJ. Tratamento da Sífilis. [acesso 12 fev 2017] Disponível em: http://www.academia.edu/6044525/Artigo_apresentado_no_II_TRATAMENTO_DA_S%C3%8DFILIS .

Silva ACZ, Binafé SM. Sífilis uma abordagem geral. VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar. UNICESUMAR – Centro Universitário Cesumar. Editora CESUMAR Maringá – Paraná – Brasil. 2013; 2-4.

Santos VC, Anjos KF. Sífilis: uma realidade prevenivel. Sua erradicação, um desafio atual. Rev Saúde e Pesquisa. 2009; 2(2):257-63.

Ribeiro ÁS, PINTO SS, SOUZA FB. Triagem para sífilis; incidência de resultados positivos nas amostras analisadas no hospital municipal duque de Caxias, oriundas do centro de testagem e aconselhamento para dst e aids. Newslab, 2007;82:142-155.

Santos GZ, Terra MR. Sífilis e seus diferentes estágios infecciosos. [acesso em 04 mar 2017] Disponível em: https://www.inesul.edu.br/revista/arquivos/arq-idvol_47_1486421703.pdf .

Pinto VM, Tancredi MV, Alencar HDR ,Camolesi E, Holcman MN, Grecco JP, ET AL. Prevalência de Sífilis em fatores associados a população em situação de rua. Rev Brás epidemiol. 2014;4(17):01-2.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Rio de Janeiro; 2010. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br

Silva MAM, Sousa AJC, Albuquerque ES, Moreira ACA, Martins KMC. Sentimentos de gestantes com diagnósticos de sífilis. Rev Enferm UFPI. 2015; 4(2): 84-91.

Silva CS, Almeida FLV, Sousa VF, Silva CJ. Tratamento da Sífilis. [acesso 12 fev 2017] Disponível em: http://www.academia.edu/6044525/Artigo_apresentado_no_II_TRATAMENTO_DA_S%C3%8DFILIS .




DOI: https://doi.org/10.26694/repis.v4i0.7388

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Bases/Indexadores:

Internacionais: CuidenIndex Copernicus InternationalResearch BibleLatindexCrossRefScholar Google; REDIB; PKP Index; DOAJ; MIAR

Nacionais: DiadorimIBICTSumarios.orgLIVRE; periodicos CAPES.

REPIS is available in: Publons

ISSN: 2446-7901