Composição Química da Silagem de Capim Elefante cv. Napier (Pennisetum purpureum Schum.) com Diferentes Níveis de Leucena cv. Cunningham (Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit.)

Jaime Alves Pereira, Abe1ardo Ribeiro de Azevedo, Ronaldo de Oliveira Sales, José Carlos Machado Pimentel, Arnaud Azevêdo Alves, Alcides Batista de Castro

Resumo


Este trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar o efeito da inclusão de leucena na silagem de capim-elefante, através da avaliação da composição químico-bromatológica. O delineamento experimental adotado foi em blocos ao acaso, com 5 tratamentos (0; 10; 20; 30 e 40% de leucena) e 5 repetições. Observou-se diferença (P<0,05), para os componentes químicos: Matéria mineral (MM), matéria orgânica (MO), proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), fibra em detergente neutro (FDN), Celulose, Hemicelulose e Lignina, com as equações de regressão: Y=8,47182-0,04956X; Y=91,4886+0,004947X; Y=6,70414+0,033308X; Y=1,63728+0,002796X; Y=76,82752-0,002656X; Y=42,53216-0,024688X; Y=23,46992-0,0173759X e Y=10,49544+0,018336X, entretanto para Matéria seca (MS), fibra em detergente ácido (FDA) e energia bruta (EB), não foi observada diferença. Pela avaliação da composição química, a adição da leucena cv. Cunningham ao capim-elefante cv. Napier no processo de ensilagem influenciou os valores de MM, MO, PB, EE, FDN, Celulose, Hemicelulose e Lignina

e não influenciou os teores de MS, FDA e EB.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15528/28