Adição de Cloreto de Amônio (NH4Cl) na Ração e seu Efeito sobre o Desempenho de Frangos de Corte em Condições de Estresse Calórico

Agustinho Valente de Figueirêdo, Ronaldo Sousa Santos, João Batista Lopes, Francisco Nonato de Sousa Júnior

Resumo


Determinou-se o efeito da adição de cloreto de amônio (NH4CI) na ração sobre o desempenho de frangos de corte, no período de 10 a 49 dias de idade. Foram utilizados 480 pintos, machos e fêmeas, distribuídos em 20 boxes, com uma densidade de 8 aves/m2. Os tratamentos consistiram de uma ração comercial basal adicionada de cinco níveis de NH4CI: TI = 0,0% (controle); T z = 0,25%; T3 = 0,50%; T4 = 0,75% e T, = 1,00%. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso com cinco tratamentos e quatro repetições de 24 aves cada. Os dados de desempenho no período de 10 a 49 dias de idade, na ordem dos tratamentos citados foram: 2.334,48; 2.118,15; 2.120,65; 2.115,98 e 2.105,96 g/ave para ganho de peso; 4.127,85; 3.993,70; 3.972,08; 4.059,40 e 3.856,53 g/ave para consumo de ração; 1,77; 1,88; 1,87;1,92 e 1,83 para conversão alimentar; 94,78; 96,88; 96,88; 97,90 e 94,80% para viabilidade; 293,97; 258,71; 262,21; 255,99 e 257,96% para eficiência produtiva. Não houve efeito significativo (P>0,05) dos níveis de NH4CI sobre essas variáveis. Concluiu-se que a adição de cloreto de amônio em dietas para frangos de corte, nas condições deste experimento, não interfere no desempenho produtivo das aves no período de 10 a 49 dias de vida.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15528/399