Alimentação Natural e Artificial para Pós-larvas de Carpas Cabeça Grande

Fábio Meurer, Wilson Rogério Boscolo, Carmino Hayashi, Liu Wolf

Resumo


Objetivando avaliar o desempenho de pós-larvas de carpa cabeça grande (Aristichthyes nobilis) alimentadas com plâncton (PL), plâncton + ração farelada (PL + RF), plâncton + ração pastosa (PL + RP), plâncton + ração micropeletizada (PL + RM) ou plâncton somente nos primeiros 10 dias + ração micropeletizada (PL 1-10 + RM); 750 pós-larvas foram distribuídas em aquários de 54 L, em um delineamento inteiramente casualisado com cinco tratamentos e cinco repetições. Foram avaliadas as médias de peso final (PF), comprimento final (CF), biomassa total (BM), taxa de sobrevivência (SO) e fator de condição (FC). O PF e CF das pós-larvas alimentados somente com PL foi inferior (P<0,01) aos demais tratamentos. As pós-larvas alimentadas com PL + RP apresentaram maior BM (P<0,01) não diferindo do tratamento PL + RM, o qual não diferiu de PL + RF e PL (1-10) + RM. As pós-larvas alimentadas somente com PL apresentaram menor BM. Houve diferença (P<0,01) na SO, sendo que a menor mortalidade foi observada no tratamento PL + RP, não diferindo dos tratamentos PL e PL + RM. O manejo alimentar mais adequado para pós-larvas da carpa cabeça grande é o fornecimento de plâncton suplementado com ração na forma pastosa.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15528/426