Aspectos Metodológicos do Comportamento Ingestivo de Vacas Leiteiras Não Gestantes Mantidas em Pastagens

Tácio Marques Pedreira, Jair de Araújo Marques, Alexandre Moraes Pinheiro, Luciano Lemos da Silva, Lucas Mercês e Mercês, Lenon Machado dos Santos

Resumo


Objetivou-se identificar os intervalos de tempo mais adequados para estudo do comportamento ingestivo de vacas leiteiras não gestantes a pasto. O experimento foi conduzido em uma fazenda localizada no município de Santo Antonio de Jesus, situada no Recôncavo do estado da Bahia. A avaliação do comportamento foi de 16 a 18 de janeiro de 2009. Foram utilizadas oito vacas leiteiras mestiças devidamente numeradas. Cada animal foi observado em cinco diferentes escalas de intervalo: cinco, 10, 15, 20 e 30 minutos, por dois períodos integrais de 24 horas. Foram determinadas as atividades de alimentação, ruminação, ruminação deitado, ócio, ócio deitado, frequência de alimentação, frequência de ruminação e frequência de ócio. Para as variáveis alimentação, ruminação, ruminação deitado, ócio, ócio deitado não foram verificados diferenças entre os intervalos de observações 10, 15, 20 e 30 minutos, quando comparados com o intervalo de observação de cinco minutos (P<0,05). No entanto, para frequência de alimentação e de ócio houve diferenças entre o intervalo de observação de cinco minutos, quando comparados com os demais. Para estudos das atividades do comportamento ingestivo de vacas leiteiras não gestantes a pasto, as observações podem ser realizados em até 30 minutos de intervalo. No entanto, para as frequências das atividades, as observações devem ser feitas em até cinco minutos. A luminosidade influencia o comportamento e a frequência das atividades de ingestão, ruminação e ócio.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15528/499