Rendimentos de carcaça e constituintes não carcaça de caprinos e ovinos de diferentes genótipos

Rayanna Campos Ferreira, Marcílio Fontes Cézar, Wandrick Hauss de Sousa, Maria das Graças Gomes Cunha, José Morais Pereira Filho, Maiza Araújo Cordão

Resumo


Foram avaliadas características relativas ao peso dos animais e ao rendimento de carcaça e dos não constituintes da carcaça de diferentes genótipos de caprinos e ovinos em pastejo na caatinga. Foram utilizados 40 animais machos, não castrados, com idade média de 120 dias e peso vivo inicial médio de 18,76 kg, sendo 10 caprinos SPRD, 10 mestiços Boer (½ Boer x ½ SPDR), 10 ovinos SPRD e 10 mestiços Dorper (½ Dorper x ½ SPRD). O peso inicial, peso final, ganho de peso médio diário e ganho de peso total não diferiram estatisticamente entre os genótipos, assim como as variáveis peso vivo após jejum, peso corporal vazio, peso de carcaça quente, peso de carcaça fria, perda por resfriamento, rendimento verdadeiro, rendimento biológico e rendimento comercial. O peso do trato gastrintestinal cheio (TGIC) (g), sangue, coração e baço (g) foram significativamente diferentes, onde os mestiços Dorper foram superiores que os caprinos SPRD, enquanto que TGIC (%), trato gastrintestinal vazio, fígado, baço (%) e rins não foram afetados pelos genótipos. O aparelho reprodutor, aparelho respiratório (g), patas (%) e cauda foram estatisticamente diferentes entre os genótipos, tendo os mestiços Dorper maiores médias, com exceção das patas (%). O peso e o rendimento dos não constituintes da carcaça, comestíveis e não comestíveis, em sua maioria, não foram afetados pelos genótipos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15528/5534