Alometria de Cortes da Carcaça de Caprinos da Raça Anglonubiana e F1 Boer-Anglonubiana

Clautina Ribeiro de Moraes da Costa, José Elivalto Guimarães Campelo, Manoel Henrique Klein Júnior, Iraides Ferreira Furusho-Garcia, Idalmo Garcia Pereira, José Algaci Lopes da Silva

Resumo


Com o objetivo de avaliar a alometria dos cortes comerciais de animais da raça Anglonubiana e F1 Boer-Anglonubiana em relação ao peso da meia-carcaça fria, 48 animais criados em sistema semi-intensivo foram abatidos ao atingirem 5, 6, 7 e 8 meses de idade. Os animais foram distribuídos em delineamento inteiramente casualisado, estratificados em dois grupos genéticos, dois sexos e quatro idades de abate, com três repetições. O peso do corte em relação ao da meia-carcaça fria foi avaliado através de equação exponencial e comparou-se o valor dos b’s entre grupos genéticos em cada sexo pelo teste F. Os cortes feitos na meia-carcaça esquerda foram: perna, paleta, costela, costela descoberta, lombo, pescoço e baixos. Nos animais avaliados com idade entre cinco e oito meses e peso corporal entre 14 e 24kg, os cortes perna, costela, lombo, pescoço e baixos, crescem na mesma proporção do corpo nos machos,(b=1) enquanto nas fêmeas foi verificado na perna, paleta, costela e baixos. Cortes com alta participação na carcaça apresentando b=1 mostram que o abate do animal deve ser recomendado com base no peso da carcaça.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15528/627