PROCESSOS DENUDACIONAIS EM DOMÍNIOS DE CHAPADAS ARENÍTICAS NO CENTRO SUL DO MARANHÃO

Veruska Costa Jesus, Helen Nébias Barreto, Ediléia Dutra Pereira

Resumo


O presente trabalho teve por objetivo investigar processos denudacionais na Serra do Itapecuru, centro-sul do estado do Maranhão, visando avaliar comparativamente a dinâmica de evolução do relevo na vertente sul (Bacia do rio Itapecuru) e norte (Bacia do rio Alpercatas) da serra. A metodologia do trabalho baseou-se na mensuração de taxas de denudação a partir da investigação da carga catiônica dissolvida de cursos d’água de quatorze bacias hidrográficas com substrato litológico predominantemente arenítico. Além disso, baseou-se na interpretação de imagens de satélite e em atividades de campo para o mapeamento de áreas sujeitas à erosão mecânica. As análises físico-químicas de águas superficiais foram utilizadas no cálculo da taxa de denudação que, de modo geral, apresentou-se baixa e semelhante em ambas porções da serra: (i) bacias do rio Alpercatas, com taxas médias de 0,43 ton/km2/sem no período seco e 0,92 ton/km2/sem no período chuvoso e; (ii) bacias do rio Itapecuru, com 0,49 ton/km2/sem no período seco e 0,87 ton/km2/sem no período chuvoso. A denudação química anual média da bacia do Alpercatas foi 1,35 ton/km2/ano e da bacia do rio Itapecuru foi de 1,36 ton/km2/ano. Os resultados do rebaixamento geoquímico médio anual foram de 0,575 m/Ma (Alpercatas) e 0,576 m/Ma (Itapecuru). Estes resultados indicam que os minerais cimentantes já foram bastante lixiviados, restando as areias quartzosas que são materiais mais resistentes e, intemperizados mais lentamente, por isso os baixos teores de íons dissolvidos na água dos rios. Portanto, a tendência natural na área de estudo é de que os processos erosivos mecânicos sejam mais agressivos e, atualmente, responsáveis pela morfogênese regional pois, o processo de denudação química já não é intenso.

Palavras-chave


Denudação química; Evolução do relevo; Serra do Itapecuru; Maranhão

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26694/equador.v8i2.9241

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da Pós-graduação em Geografia, do Centro de Ciências Humanas e Letras da UFPI

 ISSN 2317-3491

A Revista está atualmente indexada às seguintes bases de dados: LATINDEX, DIADORIM, IBICT/SEER, SUMÁRIOS.ORG, PERIÓDICO CAPES, GOOGLE ACADÊMICO, GENAMICS JOURNAL SEEK.

A REVISTA EQUADOR faz uso do DOI (Digital Object Identifier), através da associação com o CrossRef.