Chamada para o dossiê "História da Saúde e das Doenças: objetos, fontes e metodologias"

A revista Contraponto abre chamada para o dossiê "História da Saúde e das Doenças: objetos, fontes e metodologias".

Submissão para o dossiê: até 30/04/2021.

Submissão de artigos livres e resenhas: fluxo contínuo

Lançamento da edição: 30/07/2021

Antes de submeter, confira as diretrizes para autores.

Coordenadoras:

Joseanne Zingleara Soares Marinho (Universidade Estadual do Piauí)

Gisele Porto Sanglard (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz)

 

Resumo

        Conforme têm afirmado muitas historiadoras e muitos historiadores, as pesquisas na área da História surgem em virtude de determinadas demandas do próprio tempo, são inquietações que inscrevem o ofício em uma dialética que tenciona o passado e o presente (ROUSSO, 1998). Essa condição pode ser observada em relação à dinamização do interesse em relação à História da Saúde e das Doenças, que tem ocorrido em virtude de aspectos como as crescentes problemáticas da saúde vinculadas às condições de longevidade e melhores condições de vida, do Estado enquanto promotor de políticas de saúde, da relação entre a salubridade e a higiene com as enfermidades, bem como no que se refere às ocorrências de surtos de doenças – em particular, a pandemia de Covid-19, que adquiriu centralidade na promoção da alteração do cotidiano das populações –, sejam elas restritas a pequenas localidades ruralizadas ou a cidades cosmopolitas com notoriedade mundial, observando-se, todavia, graus diferenciados de extensão e impacto.

        As pesquisas em História da Saúde e das Doenças, incrementadas nas décadas recentes em vários estados do Brasil, têm resultado em temas privilegiados para a compreensão das sociedades no “[...] campo da História, forjando novas agendas de pesquisa, revigorando campos consolidados, mas, contudo, reivindicando cada vez mais sua natureza fundamentalmente multidisciplinar.” (HOCHMAN; TEIXEIRA; PIMENTA, 2018, p. 9). Por sua vez, no Piauí, as pesquisas realizadas sobre as temáticas relacionadas à saúde e às doenças pelos profissionais da História, assim como pelas demais Ciências Humanas e Sociais, ainda são escassas, identificando-se os primeiros trabalhos em nível de pós-graduação, ainda isolados, nos anos 2000. Processo que ocorreu sem alterações significativas até a implantação de algumas iniciativas, como a criação em 2019 do Grupo de Pesquisa em História das Ciências e da Saúde no Piauí (SANA), vinculado à Universidade Estadual do Piauí – UESPI e à Universidade Federal do Piauí – UFPI, que tem contribuído para o início da estruturação e sistematização da História da Saúde e das Doenças no Piauí. Isso tem ocorrido por meio da realização de eventos especializados, construções de teses, dissertações e monografias, publicações dos resultados de pesquisas em revistas acadêmicas e livros, além da realização de projetos de iniciação científica, extensão e pesquisa.

         Portanto, destaca-se, no referido contexto, a relevância da proposta apresentada para o dossiê denominado “História da Saúde e das Doenças: objetos, fontes e metodologias”, da Revista Contratempo. A intenção é reunir trabalhos que analisem a relação entre as conjunturas locais e nacionais, ensejando debates sobre as endemias, epidemias e pandemias, os ideários e as práticas científicas, as políticas de saúde pública, a atuação da filantropia, as instituições de saúde, as trajetórias de parteiras, curandeiros, boticários e outros versados nas artes e ofícios de curar de diversos matizes étnico-raciais, as biografias de enfermeiras, farmacêuticos e médicos, além de aspectos relativos ao trato teórico-metodológico e à constituição da utilização acervos de fontes primárias que possibilitem a vivacidade das pesquisas com a construção de novos objetos.

        É importante, nesse sentido, compreender como uma gama diversificada de sujeitos históricos se empenhou na produção de saberes originais sobre a saúde e as doenças, ao mesmo tempo em que foram construídas práticas e instituições capazes de pensar inovações, contribuindo, assim, para sancionar novas abordagens em diagnósticos e terapêuticas, bem como novos conceitos e teorias que adquiriram consolidação em variados contextos

        Espera-se que haja interesse pelo dossiê, em virtude de a proposta abranger trabalhos desenvolvidos em diversas áreas e campos do conhecimento, possibilitando a perspectiva interdisciplinar com a aproximação de debates que, muitas vezes, são pensados de maneira dissociada na academia, possibilitando uma ampla compreensão do universo científico e de suas interações cotidianas.